Buscar

ETF: Quais as diferenças desse fundo de investimento?

Definição:

Os ETFs são fundos de índice ou fundos de investimento negociados em bolsa. Diferentemente dos fundos de investimento tradicionais, os ETFs são atrelados a um índice de referência, também conhecido como índice subjacente. Isso implica que a carteira de ativos do ETF busca replicar a composição do índice de referência na mesma proporção. Outra característica única dos ETFs é que suas cotas são negociadas no pregão da bolsa de valores como se fossem ações. Seu desempenho oscila conforme a performance dos papéis contemplados pela sua carteira, e também responde à oferta e à demanda pelas cotas no mercado.


Tipos de ETFs:

Há uma ampla variedade de tipos de ETFs, os quais replicam tanto índices de renda fixa quanto de renda variável. Só entre renda variável, podemos citar os ETFs de índices amplos, segmentados, setoriais, nacionais ou internacionais. Há também fundos de outros tipos de índices, como ETFs de moedas e de commodities:

  • ETFs de Renda Fixa: Podem incluir títulos públicos, debêntures, CDBs e outros títulos.

  • ETFs Setoriais: Acompanham o desempenho de algum setor específico, como tecnologia, financeiro, etc.

  • ETFs de Commodities: Investem em índices de preços de commodities como petróleo e ouro.

  • ETFs de moedas: Acompanham a variação da cotação de moedas como dólar e euro.

  • ETFs inversos: Procuram lucrar com a desvalorização das ações operando vendidos.

Tributos e Custos:

  • Taxa de administração: uma taxa anual que varia de acordo com a corretora e o índice de referência. Como a gestão de um ETF é passiva, a taxa de administração costuma ser menor do que de fundos tradicionais;

  • Taxa de corretagem: dependendo da corretora, pode ser necessário pagar uma taxa de corretagem referente à intermediação das operações. Em algumas, entretanto, essa taxa não é cobrada;

  • Taxa de emolumentos: taxas cobradas pela B3 e pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia quando uma operação é realizada. Tanto os ETFs de renda variável quanto os de renda fixa estão sujeitos ao Imposto de Renda. A alíquota que incide sobre eles é de 15% sobre o rendimento, independentemente do prazo da aplicação.

Vantagens dos ETFs:

Os ETFs trazem a simplicidade para o investidor, principalmente quando há o interesse de aplicar seu dinheiro em um conjunto de ativos, como por exemplo, uma cesta de ações, o investidor poderia resolver comprar por conta própria cada ação contida na carteira, o que levaria à uma grande alocação de dinheiro sobre esse conjunto, além do excesso de tempo empregado à isso, mas esse trabalho não seria necessário. Dessa forma, o ETF apresenta a possibilidade de se investir em várias ações, apenas comprando um ativo de valores próximos a R$100,00.

A segunda grande vantagem é a diversificação. Fator muito importante ao se investir em renda variável, a diversificação garante a segurança, visto que em uma cesta de ativos presente no ETF, quando um ativo se desvalorizar haverá uma probabilidade grande de outro ativo valorizar e compensar essa perda.

A terceira e última vantagem consiste na facilidade de se investir em uma ETF. Como já explicado, os ETFs são negociados no pregão da bolsa de valores, o que torna um ativo muito fácil de se investir, bastando apenas criar uma conta em uma corretora e comprar esse ativo, semelhantemente à compra de ações. Outra facilidade importante é a capacidade de se expor a um setor do mercado sem a necessidade de estudar cada ativo individualmente: por exemplo, um investidor interessado no mercado de games acredita que esse mercado irá se valorizar futuramente, porém não possui entendimento nem tempo para analisar cada empresa desse ramo, com isso existe a oportunidade de se comprar o ETF: NERD, composto pelos principais ativos desse setor.


Desvantagens dos ETFs:

Seria muito bom afirmar que os ETFs apresentam apenas vantagens, mas existem alguns fatores negativos ao se optar por um ETF. A principal desvantagem é a ausência do fator humano nesses ativos, já que a gestão passiva é a principal característica do ETF. Não existe a possibilidade de confiar nas habilidades de um gestor para trazer maior rentabilidade aos seus investimentos, como ocorre nos fundos de investimentos tradicionais. Além disso, mesmo o ETF protegendo seu dinheiro da desvalorização do ativo de uma empresa, também limita seu dinheiro da valorização desses mesmos ativos, a sua segurança retira a oportunidade de ter uma rentabilidade maior.

Outra desvantagem está relacionada aos dividendos, visto que os ETFs no Brasil reinvestem no próprio fundo todos os dividendos garantidos pelas ações. Assim, os investidores não podem optar por receber esses dividendos, isso ocorre apenas em ETFs brasileiros.

Principais ETFs:

  • BOVA11: Reflete a performance do Índice Bovespa, que reúne as empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro, negociados na B3.

  • NASD11: ETF recém lançado no mercado brasileiro, o NASD11 reflete a performance do Índice Nasdaq-100 que incorpora as principais empresas de tecnologia do mundo.

  • IVVB11: Consiste em um dos principais ETFs investido pelos brasileiros que buscam aplicar dinheiro no exterior e se expor ao dólar, refletindo a S&P 500 Brazilian Real Index, composto pelas 500 principais empresas dos Estados Unidos.


Comparação das variações dos valores do Índice Bovespa e o BOVA11:


Utilizando o BOVA11 como exemplo, percebe-se por meio da tabela a variação muito semelhante entre o Ibovespa e o ETF (BOVA11), o que exemplifica a relação direta do índice com o ativo.


Tenho algumas dúvidas, o que fazer?


Por ser uma breve explicação é comum que possam surgir dúvidas, ou até mesmo a curiosidade de aprofundar-se mais nesse tema, assim, ficamos a disposição para ajudá-los.


Envie suas dúvidas no e-mail: ligalq.usp@gmail.com.


Vamos conversar!


Cyro André Freitas e Guilherme de Lima


13/06/2021

63 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo